terça-feira, março 22, 2005

"O Mundo de Sofia"

Será este mundo real? Ou apenas uma ilusão?
Já procuraram responder a isto grandes filósofos e pensadores de todos os tempos.
Ninguém a encontrou.
Jostein Gaarder, no seu livro “O Mundo de Sofia”, procura uma vez mais responder-lhe, de uma forma original e divertida que nos leve também a nós, leitores, a reflectir sobre o assunto. Procura acordar-nos para o assunto, tal como um filósofo misterioso acordou no livro Sofia, fazendo-a viajar por toda a história da Filosofia, interrogar-se sobre o Mundo e descobrir, por fim, que o Mundo em que vivia não era real, que eles eram apenas personagens de um livro...
E nós?
Seremos nós reais?
O Mundo que nos envolve e rodeia, os nossos amores e desamores, os nossos sorrisos e lágrimas, serão eles reais? Ou apenas ilusão?
Viveremos nós?
Ou estaremos presos num "Mundo de Sofia", num matrix, numa teia intrincada de ilusão que parece real?
Seremos realmente conscientes e responsáveis, donos dos nossos actos? Ou seremos apenas marionetas?
Estaremos presos ainda na caverna de Platão?
Quem somos nós?
Que cada um procure a resposta!

4 Comentários:

Blogger Prometeu disse...

Penso que em relação à questão de existirmos ou não, e tendo em conta muitos ensaios sobre se a Realidade existe etc, só podemos ter realmente a certeza que nós existimos (independentemente de como)) pelo singelo facto de que temos um espaço psicológico impenetrável e insondável, impossível de recriar. Se o nosso espaço psicológico fosse externo a nós, não o teríamos verdadeiramente. Mas pronto, isto de forma muito simplista.

Prometeu

8:39 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

Como o mundo é projecção de uma subjectividade, as pessoas queimam-se nos fogões lá de casa, não é?

Os resquícios do idealismo filosófico estão em toda a parte, pelos vistos.

ap

3:33 da tarde  
Blogger Prometeu disse...

Não me parece que alguém tenha dito isso aqui, embora como é natural a nossa percepção do mundo é invariavelmente subjectiva. O que não quer dizer que a realidade é subjectiva. Além disso, costumo dizer que os exercício de metafísica são interessantes como uma boa maneira de desentorpecer mentes, mas certameente que temos que partir do princípio que estamos a viver na realidade se queremos trabalhar sobre ela.

Prometeu

3:40 da tarde  
Blogger Sophia disse...

Se o mundo é ou não projecção, não sei. És tu que o estás a dizer. Eu lancei a pergunta, a discussão. Porque não tenho as certezas que tu pareces ter. Mas se as tens, parabéns! Eu também gostava de ser sábia...

9:05 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home