domingo, fevereiro 05, 2006

Um caso sórdido

Toda esta confusão à volta de um casamento entre duas pessoas deixou-me perturbado. Não sendo a favor da instituição "casamento", a minha crítica deveria começar por aí; mas como compreendo o que se joga por detrás desta situação e como faço parte de uma sociedade em que a instituição "casamento" vigora, falarei a partir desse mesmo ponto de vista.

Vejamos, no entanto, a situação de perto. Temos duas pessoas que se querem casar no registo civil, certo? Certo. Temos uma data de tipos supostamente versados em Direito que não deixam essas duas pessoas casar-se... Estão a ver? Perdi-me... Ou então esqueci-me de alguma coisa, só pode!

Prometeu

P. S. - Se por acaso estão a pensar porque é que eu não falei no facto de essas duas pessoas serem mulheres, é porque simplesmente não interessa. A prova de que esta sociedade é feita de pessoas incrivelmente estúpidas é a seguinte: a Constituição proíbe qualquer forma de discriminação, mas as leis que se querem fazer vigorar são discriminatórias e, portanto, anti-constitucionais. Mais ainda, se por acaso duas pessoas não se pudessem casar por serem de uma "raça" diferente, havia aí manifestações, protestos e comoção internacional. Como a discriminação praticada não é rácica nem (exclusivamente) machista, está tudo bem e transforma-se a "coisa" numa mera curiosidade.

7 Comentários:

Blogger Hizys disse...

é tão engraçado quando as pessoas deturpam as palavras a seu próprio favor... como se costuma dizer, a lei é dos grandes, e nem que se apoie a liberdade sexual, tudo não passa de um amontoado de banalidades de pessoas que se dizem de mente aberta. gosto da tua abordagem. é preciso analisar com isenção, e a constituição apenas protege o direito de duas pessoas se casarem... não está discriminada a obrigatoriedade entre pessoas do sexo oposto. na altura tal não foi mencionado porque simplesmente era uma prática escondida... e se hoje está tão comum, para quê continuar neste teatro de interdições discriminatórias???

5:40 da tarde  
Blogger Prometeu disse...

Para mais pormenores sobre a legislação por detrás deste caso, veja-se este post do Dolo Eventual.

Apesar da duplicidade do que a Lei e a Constituição apresentam, julgo ser claro que o direito à não-discriminação deveria presidir sobre todos os outros interesses neste caso.

Prometeu

5:50 da tarde  
Blogger el Ramalho disse...

...também assino por baixo!

9:34 da tarde  
Blogger Vitor Alvito disse...

Sim, de facto também me faz confusão como é que alguém tem o direito de impedir duas pessoas de casarem sem que para tal haja uma justificação fundamentada! Não importa se somos ou não a favor dos casamentos entre homossexuais, que importa isso?? O que importa é deixar ao livre arbítrio de cada um decidir o seu conjuge, aquele com quem quer partilhar o estado civil de Casado. Se eu posso escolher a rapariga com quem posso vir a querer casar (sim essa instituição também me faz um pouco confusão), qual a razão para um homossexual não poder ter essa mesma opção para com o seu parceiro?? Enfim...um país com as suas coisas interessantes, sem dúvida.

1:10 da manhã  
Blogger Prometeu disse...

Mais do que um país, uma cultura transnacional. Hoje em dia são ainda raros os países que permitem o casamento homossexual, o que é verdadeiramente vergonhoso para uma sociedade que pretende, em alguns campos, ser o paradigma mundial - como é o caso da liberdade e democracia.

Nestes pequenos pormenores, toda a hipocrisia e defeitos da sociedade que nos viu nascer.

Prometeu

1:25 da manhã  
Anonymous http://nscegos.blogspot.com/ disse...

concordo com voces, é bom ver k as mentalidades começam a progredir e todos temos estas firmes convicções anti-atrasados mentais puritanas. parabéns ao blog

9:51 da manhã  
Blogger Prometeu disse...

Por falar em puritanismo, lembrei-me deste post.

Prometeu

10:31 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home