quarta-feira, maio 18, 2005

a "merda" que querem calar

Às 6:20h da manhã o despertador tocou e tive mesmo que acordar.
Levantei-me, e, fazendo o meu habitual zapping radiofónico matutino, confirmei aquela que era a minha Grande Suposição.

Numa altura em que parece que tudo se diz e tudo se ouve, há ainda situações que nos fazem parar para pensar na Censura que, afinal, ainda não foi abolida...

Refiro-me, neste caso particular, à Música.
Ora reparem:

* Por que razão certas rádios passam uma versão da música "Creep", dos Radiohead, em que o verso "you're so fuckin' special" é substituído pelo doce "you're so very special"? Melhor, por que é que os próprios Radiohead fizeram duas versões do mesmo tema?

* O que faz aquele barulho estranho, aquele scratching inoportuno, em cima da palavra shit na parte final da música da Nelly Furtado, "On The Radio", que a RFM passou esta manhã? O que se consegue perceber é uma espécie de "scratch... scratch.. on the radio", quando todos sabemos que o que a cantora escreveu é que merda na rádio...

Não está aqui em discussão nada mais que a Liberdade de Expressão. Hoje não quero saber se o conteúdo das músicas é bom ou mau, se as palavras são bonitas ou feias, adequadas ou inadequadas, e todas aquelas questões que os moralistas gostam muito de debater...
O que me interessa hoje é defender o direito de artistas e ouvintes poderem escrever/dizer/ouvir o que quiserem.
Basta de obrigar os músicos a fazerem versões a martelo das músicas que o falso puritanismo da nossa sociedade considera imorais, como foi o caso dos Nirvana, que viram o seu single Rape Me ser impedido de entrar em vários países. Ou o caso de Michael Jackson que foi obrigado a alterar algumas das suas letras por, alegadamente, defenderem posições religiosas contra os judeus. Ou o caso dos Xutos & Pontapés que, na década de 80 (depois do 25 de Abril, portanto....) viram duas das suas canções mais polémicas, Mãe e Avé-Maria, serem proibidas de passar naa rádios. A primeira por conter linguagem considerada obscena, a segunda por ser uma sátira ao fanatismo religioso.

Muitos outros exemplos, infelizmente, caberiam aqui...

Agora digam me,

por que carga de água calam a Nelly Furtado, quando ela quer dizer shit!?

por que carga de água não querem que o Kurt Cobain grite Rape me!, num tema claramente contra os abusos sexuais?

por que carga de água não poderão os Xutos falar acerca do freudiano Complexo de Édipo numa música explícita?


Não há palavras bonitas ou feias.
As palavras não são morais nem imorais. São apenas e só palavras.
Com significados, é certo, mas palavras.
Todas são palavras, expressão, motor de comunicação.
Não há qualquer razão para as calar.
Não há nenhuma razão.

15 Comentários:

Anonymous Anónimo disse...

Oh nocturna, zapping radiofónico "vespertino"? "Vespertino"? Não haverá, entre os neo-illuminati quem saiba o significado de "vespertino"?

10:58 da tarde  
Blogger Prometeu disse...

Agradecemos a correcção e remetemos para este blog para mais referências sobre o assunto.

Prometeu

11:07 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

Já que estamos em mará de correcções e porque é bom saber, saiba então que vespertino provém, etimologicamente de "Vesper", designação do planeta Vénus, que se avista à tarde, depois do pôr do sol, também desigada "estrela da tarde" por antigamente se ter julgado uma estrela.Portanto: jornal vespertino (jornal da tarde), ofício vespertino (oração da tarde), tocar a vésperas (toque de sino a anunciar a oração da tarde).

1:41 da manhã  
Anonymous Anónimo disse...

No melhor pano cai a nódoa, veja só, queria escrever "maré" saiu "mará".

1:44 da manhã  
Blogger Prometeu disse...

...Que é exactamente a mesma informação que teria obtido se tivesse seguido o link que eu deixei no comentário anterior, e que tinha como objectivo precisamente dispensar esse comentário seu. Mas pronto, informação redundante nunca fez mal a ninguém...

Prometeu

Post Scriptum - A maré de correcções resumiu-se a uma... regra geral essa expressão é utilizada quando se verifica um grande número de acontecimentos semelhantes...

1:45 da manhã  
Anonymous Anónimo disse...

Não me quero pôr em bicos dos pés, mas volto para dizer que o Prometeu, se não é pobre, é mal agradecido, porque o meu comentário, longe de ser depreciativamente redundante, corrige o seu link, a saber: 1. os franceses não dizem "o matinê", mas "matinée"(la matinée). 2. Vésper não é uma estrela, mas um planeta (no dia em que o engenho humano provoca um embate contra a cauda dum cometa, a milhões de quilómetros, chamar estrela a um planeta é uma barbaridade). Chamar redundante a um comentário que corrige com rigor uma opinião é, salvaguardadas as distâncias, uma barbaridade, para não dizer ignorância.

5:24 da manhã  
Blogger Prometeu disse...

Mais uma vez, informação redundante. O domínio do link termina em "br", o que significa que o blog é brasileiro; estou a supôr que "matinê" esteja consagrado no Acordo Ortográfico. Além disso, o mesmo artigo termina com uma definição do dicionário Houaiss, que chama a Vésper um planeta.

Aconselho a utilização de maior atenção nas futuras leituras e menos insultos aquando dos debates em que participa.

Prometeu

9:08 da manhã  
Anonymous Anónimo disse...

Desisto de esclarecer ignorantes que dizem vespertino o zapping da manhã, que chamam estrela a um planeta, que aceitam sem reserva o brasileiro "matinê" (será que não estamos em Portugal?),que Julga que é de SUPÔR (com acento e tudo)que "matinê" esteja consagrado no Acordo Ortográfico, o que não é verdade, com este rol de erros, chamar de redundante um comentário que prima pelo rigor e seriedade, e repetir o qualificativo de redundante, prova que ou ignora o signifificado de redundante ou é teimosia. Quanto a lições de comportamentos, dá-as quem sabe, não quem se julga neo quê?

9:47 da manhã  
Blogger Prometeu disse...

Nós aqui não comemos com falsas moralidades, que obviamente tem sido o seu objectivo desde o princípio: para confirmar isso mesmo, basta ler isto. Entretanto, convido-o a demonstrar onde é que eu disse que "matinê" era o correcto para Portugal, porque eu limitei-me a dizer que o site era brasileiro e portanto estava escrito em Português do Brasil, algo que explica as supostas críticas. Em relação à questão do planeta, eu vou desconstruir a informação que consta no blog brasileiro para que consiga perceber de uma vez por todas que não estamos a recomendar disparates cosmológicos:

"a estrela Vésper - na verdade o planeta Vênus - é a primeira que aparece no céu [...] Faço questão de ressaltar a corretíssima definição dada pelo dicionário do Houaiss: "Vésper - o planeta Vênus, quando aparece à tarde"." Ou seja, o facto de ser chamado de estrela vem do desconhecimento de astronomia de antigamente. O post citado mostra claramente (a não ser para quem não quer ver e tem necessidade de implicar) que a "estrela Vésper" é, "na verdade o planeta Vénus".

Quanto a mim, dou o assunto por encerrado; se bem que isso poderia ter sido feito ao primeiro comentário que aqui deixei.

Prometeu

10:06 da manhã  
Anonymous Anónimo disse...

Também dou o assunto por encerrado com esta achega. Cego é quem não quer ver: 1.antes de argumentar com o link brasileiro, fui eu que lembrei que Vésper não era uma estrela; 2. a descodificação que faz do link, não tem semelhanças com o link original e é exactamente o que eu disse no meu comentário inicial.Moralidade: honestidade intelectual é não branquear a ignorância própria e não distorcer os argumentos do adversário. Nestas dois domínios é especialista, como todos já se aperceberam, o Prometeu, um neo...neo...neo quê?

12:04 da tarde  
Blogger Prometeu disse...

Oh, isto é tão ridículo que eu tenho mesmo que voltar a comentar...

Em relação ao ponto número um: foi o próprio link do blog brasileiro que lembrou que Vésper não era uma estrela.

Em relação ao ponto número dois: a confusão sobre "matinê" ou "matinée" foi inserida neste debate completamente "a martelo" e sem qualquer objectivo para o ponto principal. Além do mais, desde o meu primeiro comentário que concordei consigo em relação ao erro de escrita (que, se reparar, foi emendado logo nessa altura). Essa da "descodificação do link" que eu faço é interessante, já que eu inseri no meu comentário citações directas de lá... O resto é uma extrapolação perfeitamente lógica - basta antentar ao processo de formação de palavras.

Seja como for, em retrospectiva, o seu grande ponto de celeuma era o "vespertino", que foi imediatamente corrigido no texto assim que vi o primeiro comentário. Favorecendo a sua opinião, deixei o link para demonstrar que o Anónimo tinha razão. Ao invés disso, fui (mais uma vez) insultado...

Prometeu

5:31 da tarde  
Blogger Pedro Santos Cardoso disse...

Caro anónimo, tudo tem o seu valor heurístico. Mas não se iluda: nada de conspícuo se aprendeu hoje consigo, o sr é especialista em verborreia. Os meus cumprimentos.

1:14 da manhã  
Anonymous dark phoenix disse...

Senhores...não era isto um blog sobre censura de música?

O engraçado é que existem sempre anonimidades para desviar um tema que, provavelmente não lhes diz absolutamente nada dentro da sua ignorância para o que lhes não interessa, para martelarem um pouco nas pseudo-definições que aprenderam no dia anterior..

A censura na música tem sido algo bastante discutido (a meu ver) por várias entidades ligadas à música, desde produtores, editoras, rádios, e ao que parece, eles fazem apenas o que acham politicamente correcto..

O problema é que o que eles acham politicamente correcto só mostra a sua ignorância à la anonimidades, isto é, são ignorantes para o que lhes interessa, como o significado das músicas..Querida e estimada nocturna, achas mesmo que eles (os manda chuva) iam preocupar-se em ouvir a música com atenção, ou ler a letra uma ou duas vezes para se aperceberem das metáforas??Não, claro que não..a partir do momento em que há crianças a ouvir rádio e a palavra shit ou fuck aparece, eles cortam-na logo, para que as criancinhas não a aprendam tão cedo..

E na democracia tão (pouco) católica portuguesa, o fanatismo religioso satirizado pelos Xutos ou até coisas "contra-natura" como o complexo de Édipo devem ser escondidas às criancinhas..Achas mesmo que os meninos de 5º ano estão interessados nas mamas da prof de ciências??
Claro que não..entao..eles são uns santinhos, uns puros, só querem é estudar, ganhar um diploma como nos filmes americanos e partir à descoberta do mundo do desemprego..

Por mais que estes meios de comunicação tentem, as palavras fuck e shit, que como diz a nocturna e muito bem não são senão palavras, as questões religiosas e sexuais vão surgir sempre..mas o que essas entidades pseudo-purificantes do mundo não percebem é que não há melhor maneira de aprendermos do que sendo avisados primeiro, para já estarmos preparados quando nos depararmos com as situações..e que melhor meio para nos preparar, do que a própria música?

Senhores da rádio, Senhores produtores, Senhoras editoras, Senhores anónimos:

Deixem-se de tretas e ajudem-nos a viver!! Se os músicos escrevem as letras de uma certa forma, por alguma razão é!! Deixem-se de tretas!!

Halgalad

5:34 da tarde  
Blogger Angel disse...

=') Tão lindo...

10:47 da manhã  
Anonymous Ana disse...

Mas que merda de coisa gay usar essas letras diferentes

5:13 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home